sábado, 27 de junho de 2009

METEORO NÃO, VULCÃO SIM.

O meteoro vai ser absolvido pelo desaparecimento dos dinossauros?
Desde 1980, um asteroide é o principal suspeito da extinção dos dinossauros. Dois novos estudos mostram que eles sobreviveram ao impacto
O culpado pelo fim dos dinossauros era um meteoro caído no México. A geóloga Gerta Keller diz que o impacto é anterior à extinção.
Dois estudos publicados no final de abril podem afundar a teoria do meteoro. Num deles, a geóloga alemã Gerta Keller, de 64 anos, da Universidade Princeton, diz que o meteoro não causou a extinção. No outro, James Fassett, de 76 anos, geólogo aposentado do Serviço Geológico americano, não descarta que o meteoro tenha sido responsável pela extinção – mas seu efeito não foi imediato. Ele descobriu que havia dinossauros na Terra 500 mil anos depois do impacto.
Entender a causa da extinção dos monstros “antediluvianos” é uma meta da ciência desde 1842, quando o inglês Richard Owen cunhou o termo dinossauro (do grego deinos, terrível, e sauros, lagarto). Teorias nunca faltaram. A primeira foi a do dilúvio. O fim dos dinos já foi creditado a uma supernova, uma estrela vizinha do Sol que explodiu, banhando a Terra com radiação mortífera. Em outra hipótese, a Terra cruzou uma nuvem de gás interestelar que teria sufocado os bichos. Culpou-se até um vírus, que seria causador de uma pandemia planetária.
Essas teorias começaram a ser descartadas em 1980, quando os americanos Luis Alvarez, um físico ganhador do Nobel, e seu filho Walter, um geólogo, disseram que o vilão veio do espaço. Eles descobriram um acúmulo anormal do elemento químico irídio numa estreita faixa de rochas de 65,5 milhões de anos, o chamado limite K/T. Abaixo dele, estão as últimas rochas do período Cretáceo (K), quando ainda havia dinossauros. Acima, estão as rochas terciárias (T), onde eles desapareceram. O irídio quase não existe na Terra, mas é abundante em meteoros. Luis e Walter Alvarez calcularam que a concentração de irídio decorreria da queda de um astro de 10 quilômetros de diâmetro, voando a 20 mil quilômetros por hora. O impacto teria gerado uma explosão igual a 5 bilhões de bombas de Hiroxima. Montanhas de rocha pulverizada foram lançadas na estratosfera, cobrindo o Sol por séculos. Segundo a tese, os animais que não morreram de imediato sucumbiram à fome e ao frio.
Em 1991, a teoria ganhou ares de fato comprovado. Prospecções petrolíferas no Golfo do México detectaram a cratera do meteoro. Ela tem 180 quilômetros de diâmetro e está soterrada por 2 quilômetros de rocha, sob a cidade de Chicxulub, na Península do Yucatán, no México. Escavações provaram sua idade: 65,5 milhões de anos. Tudo levava a crer que Luis e Walter Alvarez tinham razão. Ou não?
Os paleontólogos nunca se convenceram. Eles sabem que o meteoro poupou as espécies menores e muitas de grande porte. Os tubarões surgiram há 400 milhões de anos e sobreviveram incólumes. O mesmo se deu com os crocodilos. Quem sumiu foram os grandes répteis, nas versões alada (pterossauros) e marinha (plesiossauros), e a maioria dos terrestres, os dinossauros. Nem todos. Alguns sobreviveram. São as aves.
Desde 1989, Keller quer provar que a queda do meteoro não acabou com os dinossauros. “Nos últimos 20 anos, tenho sido a bad girl da geologia”, disse a ÉPOCA, enfatizando seu distanciamento dos colegas geólogos, para quem a teoria do meteoro era fato consumado. Em 2004, Keller foi ao México coletar rochas em torno do limite K/T. Ao analisá-las, achou fósseis de 52 espécies de animais abaixo da faixa de irídio. As mesmas 52 espécies continuavam presentes nos 9 metros de sedimento acima da faixa, depositados durante 300 mil anos. “É a prova de que o meteoro precedeu à extinção em 300 mil anos”, diz Keller no estudo publicado no Journal of the Geological Society of London. “Nenhuma espécie se extinguiu como resultado do impacto.”
FONTE: G1- REVISTA ÉPOCA.

ISSO DÓI

SACO É UM SACO



Você sabia que cerca de 1,5 milhão de sacolas plásticas são consumidas a cada hora pelos brasileiros?
Sacos, saquinhos, sacolas e sacolinhas plásticas. Nós os recebemos todas as vezes que vamos às compras: na farmácia, na padaria, no supermercado. Pode parecer que são de graça, por que são distribuídas à vontade…
Errado! Todos pagam por eles: recursos naturais como petróleo e água são usados para sua fabricação, energia é consumida, e, quando as descartamos, elas ajudam a obstruir pontos de drenagem de chuvas - causando enchentes -, poluem cidades e matas, podem ser ingeridos por animais e permanecem no meio ambiente por séculos.
Entre 500 bilhões e 1 trilhão de sacos e sacolas plásticas são consumidas por ano no mundo. A sua sacolinha pode parecer inofensiva, mas todas esses sacos e sacolinhas juntos são um perigo para a natureza.
A campanha Saco é um Saco quer chamar a atenção dos brasileiros para o consumo exagerado de sacolas plásticas.
Sacolas plásticas ajudam a impermeabilizar o solo de aterros e lixões, são a causa da morte de milhares de animais, entopem bueiros ajudando a causar enchentes, e sujam as cidades, matas, rios e oceanos.
Todo mundo usa sacolas plásticas como saco de lixo. Tudo bem. Mas tem gente que pega muito mais do que precisa. Cada brasileiro consome em média 66 sacolas plásticas por mês. Se na sua casa são 4 pessoas, vocês, juntos, consomem mais ou menos 264 sacolas por mês! Ninguém precisa disso tudo para o lixo.
Muitos países baniram as sacolas plásticas de seu dia-a-dia. No Brasil, queremos alcançar a redução do consumo de sacolas através da conscientização do cidadão, para que faça parte desse movimento mundial de respeito ao meio ambiente.
Diminuir o consumo de sacolas plásticas, adotar uma sacola retornável ou outra alternativa é uma atitude típica do consumidor consciente. Reduzir o consumo de sacolas plásticas é só o começo de uma sociedade mais sustentável.
Anualmente, o Brasil consome 12 bilhões de sacolas plásticas e cada brasileiro utiliza aproximadamente 66 sacos por mês. Esses dados da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e outros do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) mostram que o estrago das “inocentes” sacolas plásticas já está chegando até locais distantes, considerados verdadeiros paraísos ecológicos e turísticos. Além disso, 500 bilhões estão por aí entupindo rios, lagos, bueiros, poluindo o mar, matando peixes, tartarugas e outros animais.
Então, façamos nossas sacolas de venda, promocional, de marketing, de praia, de supermercado, de viagens, de decoração, de feiras, de convenções, de embalagem, enfim, do que quisermos, desde que, conscientemente ou não, a tornemos uma alternativa para as terríveis sacolas de plástico que duram algumas horas de uso e levam 500 anos destruindo o planeta. Por amor ao Planeta ou por interesse pessoal, não importa: faça a sua parte!

domingo, 14 de junho de 2009

IMAGENS QUE FALAM

video

O estudante de Ciências Biológicas Flávio da Silva Amorim trabalhou junto com um amigo (Drumond Caixeta) para editar um vídeo que alertasse a população sobre o aquecimento global. O vídeo tem como tema a música "O Mundo", nas vozes de Lenine, Paulinho Moska, Zeca Baleiro e Chico César. As imagens do vídeo fazem referência a letra da música e mostram a grande problemática do aquecimento global com suas causas, efeitos e soluções. O propósito do vídeo é o de sensibilizar e alertar para os riscos que a população mundial corre com a luta desenfreada pelo poder. Parabéns a estes estudantes. FONTE: BLOG BIOLOGIA NA REDE

PELA MANUTENÇÃO DAS FLORESTAS



O príncipe Charles disponibiliza materiais para professores através de seu site em prol da preservação das florestas.

http://www.rainforestsos.org/

VAMOS NOS UNIR NESTA CORRENTE.


FONTE:BOLG BIOLOGIA NA REDE -

DISNEY DISPONIBILIZA MATERIAIS PARA PROFESSORES



A Disney lançou no dia 22 de abril, data em que se comemora o Dia Mundial do Planeta Terra, o documentário Earth, que tem como tema o meio ambiente. A empresa se comprometeu a plantar uma árvore na Mata Atlântica para cada ingresso vendido durante a semana de lançamento.
Para assistir o trailer de Earth acesse: http://disney.go.com/disneynature/earth/

CHINESES ENCONTRARAM ELO ENTRE RÉPTEIS E AVES


Cientistas chineses encontraram um fóssil de uma nova espécie que pode ser o elo da evolução dos dinossauros terrestres para as aves. O Epidexipteryx hui era coberto de penas, mas não podia voar.
O animal era um parente distante do Tiranossauro Rex, mas não era maior que um gato.
Este animal, do tamanho de uma pomba e que pesava cerca de 160 gramas, viveu pouco antes que o Archaeopteryx, considerado a ave mais antiga do mundo.
Muitas das características do dinossauro são as de uma ave, como dois pares de penas muito longas, com o aspecto de laços que nasciam de sua pequena cauda.
Fonte: Efe e France Presse
FONTE: BLOG BIOLOGIA NA REDE

2009 - ONU DECLARA O ANO DO GORILA

sábado, 13 de junho de 2009

DARWIN - ENTENDA A SUA TEORIA

EVOLUÇÃO

A idéia que revolucionou o sentido da vida.

Ao afirmar que todos os seres vivos descendem de um mesmo ancestral comum e que a vida na Terra surgiu há milhões de anos, Charles Darwin lançou as bases da Biologia moderna e mudou nossa forma de ver o mundo.
“É bastante concebível que um naturalista, refletindo sobre as afinidades mútuas dos seres orgânicos, suas relações embrionárias, sua distribuição geográfica, sucessão geológica e outros fatos similares, chegasse a conclusão de que cada espécie não fora criada independentemente , mas se originara de outra espécie.” Assim,
Charles Darwin (1809-1882) mostrou, na introdução de A Origem das Espécies, o raciocínio que levou a formular a Teoria da Evolução por meio da Seleção Natural.
Segundo a teoria de Darwin, tanto os organismos vivos como os que encontrou fossilizados se originavam de um único ancestral comum e se transformavam ao longo do tempo. Semelhante a uma bactéria, esse primeiro ser vivo sofreu modificações até gerar toda a variedade de animais e plantas do planeta ao longo de milhões de anos, por um processo que continua ativo a Seleção Natural, onde os seres vivos que receberam características adaptativas sobrevivem e transferem aos seus descendentes, garantindo assim a perpetuação da espécie.
Assim o homem deixou de ser visto como um animal especial e mais evoluído para ser encarado como mais um ramo da grande árvore da vida. “Somos todos seres aparentados e em evolução, e cada população apresenta as características necessárias para se adaptarem às condições do ambiente.”
Com isso a Biologia desmentiu a natureza especial do homem e o relegou à posição de mero descendente animal. Através dos fósseis conseguimos mostrar como as incontáveis espécies foram modificadas. Darwin também se valeu de Thomas Malthus (1766-1834), especialista em economia política, em sua obra Ensaio sobre a População (1798), o autor argumenta que o contingente humano pode exceder o suprimento de alimentos e a competição por comida ou espaço controla a expansão das populações. Darwin projetou esse pensamento para o seu trabalho e inferiu que a competição leva à dispersão de traços vantajosos, pois organismos mais adaptados sobrevivem e geram mais descendentes. Saem-se melhor os que têm mais capacidade de obter recursos e esses são os que deixam mais filhos, que vão transmitir essa vantagem às gerações futuras. É um erro pensar que as espécies se adaptam ao ambiente. Os animais adaptados são os que herdaram características que garantem a sobrevivência.
Com base nesses três conceitos (diversidade, tempo geológico e seleção natural), Darwin conseguiu provar que as populações de seres vivos estão em constante transformação. De um início tão simples, infinitas formas continuam evoluindo.
No censo comum, muitas vezes o termo “teoria” é usado como sinônimo de achismo. Mas em ciência ele significa a síntese de um vasto campo de conhecimentos formado por hipóteses testadas e comprovadas por leis e fatos científicos. A ciência busca a verdade. As novas teorias deixaram claro que o estudo das partes e insuficiente, razão pela qual é preciso inter-relacionar diferentes formas de ver o mundo para poder construir um conhecimento do todo. O mundo passou a ser visto como uma rede, com múltiplas conexões e um fluxo de energia em constante transformação. Para fundamentar sua Teoria da Evolução Charles Darwin alinhou conhecimentos de Geologia, Biologia e Economia e mostrou que é preciso integrá-los para entender a natureza.
FONTE: REVISTA NOVA ESCOLA DE ABRIL/2009 - ED. ABRIL

SERES VIVOS INJUSTIÇADOS







Tatus, hienas, urubus, camarões, fungos e bactérias.

Seres vivos bem diferentes entre si, porém na natureza eles realizam papéis semelhantes: aproveitam restos animais e vegetais em sua alimentação, transformando-os e devolvendo-os em forma de nutrientes para a cadeia alimentar. São classificados como necrófagos ou detritívoros chamados assim porque se alimentam de animais mortos em estágio pouco avançado de decomposição.
Ao consumir carcaças os necrófagos impedem a proliferação exagerada de bactérias e insetos, evitando assim, contaminações e desequilíbrios mais sérios, principalmente quando um surto ou uma epidemia mata muitos exemplares de uma mesma espécie.
Fungos e bactérias, na natureza trabalham silenciosamente para transformar grandes porções de matéria orgânica ou inorgânica em substâncias simples, como água e gás carbônico, além de outros compostos com odores nada agradáveis. São os responsáveis por acelerar o processo de decomposição da matéria orgânica, ou seja, a putrefação.

IMAGENS: GOOGLE - FONTE : REVISTA NOVA ESCOLA DE ABRIL/2009. ED. ABRIL.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

08 DE JUNHO - DIA MUNDIAL DOS OCEANOS



FONTE:BAIXAKI- ARRAIAL DO CABO.

AJUDE A PRESERVAR, BASTA NÃO POLUIR. NÃO JOGUE O LIXO NOS RIOS.

ISSO DÓI - PRAIA EM NOVA DELI


FONTE:Fake Plastic Beach, por thebigdurian,no Flickr

Sacolas de plástico foram proibidas na Índia - Nova Deli.

FILME HOME - MEIO AMBIENTE

Já estão sabendo do lançamento feito no último 5 de junho, em comemoração ao Dia do Meio Ambiente, do filme "Home", de Yann Arthus-Bertrand, com narração de Glenn Close. As imagens são belíssimas, todas aéreas de ângulos bem inusitados e criativos. Verdadeiras obras de arte, que impressionam, chocam, levam à reflexão sobre a urgência de mudarmos nossas atitudes consumistas. A mensagem que se leva para casa é simples: não temos tempo para pessimismo. Há uma necessidade maior em jogo, a de que cuidemos de nossa casa, o planeta Terra. Precisamos agir em prol dele já. No youtube já existe uma versão em português. Vale apena conferir.
O filme inteiro está disponível no Youtube até dia 14 de junho, e depois dessa data, direto no site deles.
ACESSE O YOUTUBE PELA BARRA DE VÍDEOS DESTE BLOG E BUSQUE HOME.

1 LITRO DE ÓLEO DE FRITURA POLUI 19.000 LITROS DE ÁGUA.



Recolha o óleo em garrafas PET de 2 litros e faça um sabão ecológico.

RECEITA DO SABÃO ECOLÓGICO:

1. Peneire o óleo para retirar os resíduos e impurezas;
2. Aqueça o óleo sem deixar ferver;
3. Use luvas e adicione soda cáustica (350ml para cada litro de óleo);
4. Para dar perfume ao sabão, adicione 1ml de aromatizante ou amaciante.
5. Coloque 400ml de água morna (para cada litro de óleo).
6. Mexa lentamente durante 20minutos;
7. Deixe descansar por um dia se for cortar em barras;
8. Após uma semana o sabão está pronto para ser usado.

DICAS:
• Se preferir, enquanto a consistência do sabão é ainda cremosa, coloque a mistura em um ou vários moldes, para endurecer.
• O sabão deve permanecer pelo menos 2 a 3 semanas em uma prateleira , para amadurecer, antes de ser usado.
• Use luvas e tome cuidado com os olhos, pois o hidróxido de sódio (soda cáustica) pode provocar queimaduras, alergias e irritações em contato com a pele.
• Em caso de acidente lave com água corrente em abundância pelo menos 15 minutos.
• Uma vez que o óleo é misturado com a solução de soda cáustica, a mistura não é mais perigosa.

FONTE: BLOG FAÇA A SUA PARTE

sábado, 6 de junho de 2009

NAMASTE


A palavra Namaste (pronuncia-se Namastê) é composta de duas palavras sânscritas: Nama (reverência, saudação) e Te, que significa você. Em síntese é saúdo a você, de coração, ao que deve ser retribuído com o mesmo cumprimento. Pelos meios esotéricos acabou ganhando o significado floreado de "O Deus que habita em mim saúda o Deus que há em você".

O gesto do Namaste, conhecido pelos budistas como Anjali mudra, consiste no simples ato de juntar as palmas das mãos ante o coração (ou mais precisamente o chakra do coração), e inclinar levemente a cabeça. Metaforicamente, os cinco dedos da mão esquerda representam os cinco sentidos de karma, enquanto os da direita representam os cinco órgãos do conhecimento. Significa então que mente e coração devem estar em harmonia, para que nosso pensar e agir estejam de acordo com o Dharma. Também é um reconhecimento da dualidade que existe no mundo e sugere um esforço de nossa parte para trazer essas duas forças unidas em equilíbrio.
Contando os dedos, um total de dez é alcançado. O número dez é símbolo da perfeição, da unidade, em todas as tradições antigas. As dez Sephiroth na Árvore da Vida, os dez Mandamentos, o símbolo da criação no sistema de Pitágoras e o número do equilíbrio perfeito para os antigos Chineses.

05 de JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE



FONTE:BIOLOGIA NA REDE.